Marchas Populares de Santo António 2015.

Uma vez mais, a Comissão Organizadora das Marchas de Santo António, em parceria com a Junta de Freguesia da Lapa do Lobo e com a ADCL, e com o apoio da Fundação Lapa do Lobo, vai organizar as Marchas e Festejos de Santo António que vão decorrer no dia 13 de junho. Assim encontram-se já abertas as inscrições para marchantes e para cantadeiras;

INSCRIÇÕES PARA MARCHANTES:

-Encontram-se abertas as inscrições para a Marcha Popular de Santo António, que irá realizar-se no dia 13 de Junho de 2015.

Assim, os interessados em fazerem parte, devem fazer a sua inscrição na Fundação Lapa do Lobo entre os dias 23 de Março e 15 de Abril.

Inscrições dos 5 aos 95 anos!

INSCRIÇÕES PARA CANTADEIRAS

-Encontram-se abertas as inscrições para o GRUPO de CANTADEIRAS que acompanhará as Marchas Populares de Santo António, a realizar no dia 13 de junho.
As inscrições dos candidatos serão analisadas pela Professora de Música.
Assim, os interessados em fazerem parte deste Grupo, devem fazer a sua inscrição na Fundação Lapa do Lobo entre os dias 23 de Março e 15 de Abril.

Audição de Páscoa – Inic. Musical e Grupo Cordas FLL

No dia 28 de março, teve lugar no Salão da Associação Desportiva e Cultural Lapense, a Audição de Páscoa, dos Grupos de Iniciação Musical e Cordas da Fundação Lapa do Lobo.
Como já vem sendo habito, por ano são apresentadas três Audições (Natal, Páscoa e Final Ano Letivo).
A Audição começou com o Grupo de Iniciação Musical, cuja responsável é a professora Carla Loureiro. Foram 3 as peças que os Iniciados deste grupo apresentaram. Depois e ainda dentro da Iniciação Musical, os alunos Finalistas apresentaram também 3 peças, já com uma abordagem mais séria e mais trabalhada, visto que este é já o seu 2.º ano de Iniciação.
Depois dos mais pequeninos, passámos ao Grupo de Cordas, que é constituidos por guitarra clássica cuja responsável é novamente a Professora Carla Loureiro, e violino cuja responsável é a Professora Irene Lopes. Começaram por apresentar uma peça conjunta, depois seguiram-se 2 solos (guitarra e violino) e novamente uma peça conjunta. De salientar que o Grupo de Cordas tem também alunos Iniciados (que apenas começaram em setembro último a aprender um instrumento, e alunos que já frequentam o Grupo desde o seu inicio). Todas as peças quer dos Iniciados, quer do restante Grupo, foram brilhantemente interpretadas.
No final, todos os alunos se juntaram em palco, e os mais pequeninos tiveram uma participação especial na última peça apresentada. Como é habitual dizer, o melhor fica guardado para o fim, de facto este momento final foi brilhantemente interpretado e acompanhado pelos mais pequeninos, fazendo as delicias de todos os presentes.
A Fundação Lapa do Lobo, agradece a todos os seus alunos, aos país e às Professoras Carla Loureiro e Irene Lopes, pelo trabalho que tem vindo a desenvolver!

Concerto Coral da Primavera

No passado dia 7 de Março, o Salão da Associação Desportiva e Cultural Lapense, recebeu o Concerto Coral da Primavera. Este espetáculo foi organizado pela Fundação Lapa do Lobo, e a convite desta estiveram os Grupos Corais Canto e Encanto de Canas de Senhorim, e o Grupo Coral da Associação Cultural de Salreu (Estarreja). Foi um serão cultural muto emotivo, pois tal como foi dito pelo Dr. Carlos Torres (Adm. Fundação Lapa do Lobo), Estarreja foi a Vila onde nasceu e foi criado, tendo por lá ainda muitos amigos, alguns dos quais não via desde os 16 anos de idade, nos saudosos tempos do colégio, um desses amigos dos tempos da juventude, Dr. Dário Matos, também ele ligado a esta Associação Cultural e que fez questão de estar presente neste Concerto, reencontrando o Dr. Carlos Torres ao fim de mais de 40 anos. O Concerto iniciou-se com a atuação do Canto e Encanto que pela mão do seu Maestro Professor Cristovão Ramalho, apresentou 7 peças, terminando a sua apresentação com um dos temas que o Dr. Carlos Torres mais aprecia, “As Ilhas de Bruma”. De seguida e pela mão do Maestro Professor Daniel Sousa, o Grupo Coral de Salreu, iniciou a sua apresentação. 9 foram as peças cantadas, num reportório que fez a alusão às diferentes Regiões do País, terminado com uma peça magnificamente cantada para gaúdio de todo o público presente: “A queda do Império”. Para o fim ficou a peça “Acordai” de Lopes Graça, que foi cantada pelos 2 Grupos em simultâneo e pela mão do Maestro Professor Cristovão Ramalho. Depois do magnífico Concerto foram entregues algumas lembranças, quer ao Dr. Carlos Torres, quer à sua esposa Eng.ª Carmo Batalha e à Fundação, Entre os Grupos houve também troca de lembranças. As despedidas foram bastante calorosas deste que foi um dia de reviver memórias e matar saudades de velhos amigos.

Tradicionalidades do Canto da Dança e da Música – Momento 3

No dia 28 de fevereiro, o Auditório Maria José Cunha da Fundação Lapa do Lobo, recebeu o 3.º momento do Ciclo Tradicionalidades do Canto, da Dança e da Música, ciclo este iniciado em 2012 e retomado em janeiro de 2015.
Foi uma vez mais pela mão do Eng.º Pedro Fonseca, também ele músico e apaixonado pela música tradicional portuguesa, que este projeto musical chegou até nós.
Sob o tema “Entrudo, entre o pecado e a vírtude”, foram 14 os temas apresentados, perante um Auditório completamente lotado.
O grupo convidado apresenta-se como sendo um projeto que “pretende levar a música tradicional a espaços improváveis, oferecendo uma performance artística com recurso ao audiovisual, que permita fazer uma ligação do espaço com os interpretes e desmistificar ideias pré-concebidas sobre a adequação dos locais aos espetáculos musicais. Traduzem-se para o tempo nosso, melodias aprendidas de vozes de outros tempos, de rituais do ciclo de inverno. Eis o entrudo, transgressor, de presença forte,libertador e também iniciático, como forma de despedida dos excessos e dos prazeres da carne e entrada numa quaresma que se quer rigorosa e proibitiva.” Composto por: Catarina Moura (voz),Luis Pedro Madeira (guitarra e cavaquinho), Manuel Rocha (violino) e Quiné Teles (percussão).
Neste espetáculo foram tocadas e cantadas músicas de Entrudo de várias regiões do País, desde o tema “Baixo vai o Entrudo” , tema caraterístico da Beira Baixa, até ao tema “Sapateia” caraterístico dos Açores, passando por temas como “Tempo de Entrudo” proveniente do Alentejo, num magnifico concerto em que por diversas vezes, se ouviu o público acompanhar as canções. Ao longo de todo o espetáculo, foram sendo dadas explicações relativas a toda esta temática, aos rituais de Entrudo e à passagem ao tempo de Quaresma, explicações estas que nos chegaram pelo músico Manuel Rocha, e foi sempre dada ao público a oportunidade de colocar questões, pois pretende-se que estes momentos sejam de partilha e de algum modo tenham uma vertente pedagógica.
Foi sem sombra de dúvida um belíssimo momento, em que todos os objetivos propostos pela Fundação foram atinguidos, em mais um momento deste Ciclo que terá o seu próximo espetáculo em 23 de maio, com a presença do Gefac.