FLL Gap Year

>FLL Gap Year 2011/12
>Candidaturas FLL Gap Year 2014/15
>Projetos FLL Gapyear 2013/2014


O que é um Gap Year?

Atualmente milhares de pessoas em todo o mundo, sobretudo jovens, resolvem dedicar um ano da sua vida a “crescer” de uma forma diferente e pouco convencional, viajando e trabalhando, ou realizando trabalho voluntário, algures pelo mundo, fora do seu contexto normal.

Aprender numa “escola de vida”, conhecendo o mundo e vivendo a realidade de outros povos e de outros enquadramentos culturais, sociais e económicos é uma experiência insubstituível e que marcará certamente o destino de quem a faça.

Consciente da importância que o Gap Year pode ter no enriquecimento pessoal e curricular dos jovens dos concelhos de Nelas e do Carregal do Sal, a Fundação Lapa do Lobo propôs-se promover este conceito na comunidade estudantil e estimular a sua realização, apoiando financeiramente todos os anos um ou dois projetos de Gap Year.


FLL Gap Year “ano zero”

“Ano zero” do Gap Year da Fundação Lapa do Lobo, 2011/12 pode ser encarado como a experiência piloto que irá servir de “Manual” a futuros Gap Years.

Na sequência de uma sessão do “Encontro da Oralidade”, organizada na Fundação pela Professora Carla Marques com alunos do 12º ano do Agrupamento de Escolas do Carregal do Sal, onde este tema foi focado, a Fundação lançou o desafio ao Gonçalo Azevedo Silva e ao Tiago Marques, alunos do 12º ano dessa mesma escola, para serem os pioneiros do FLL Gap Year.

O programa foi delineado em conjunto entre a Fundação e os jovens. Traduziu-se numa viagem que começou por uma primeira temporada na Europa, de 11 de outubro a 15 de dezembro de 2011, interrompida durante 4 semanas com regresso ao nosso país, e prosseguida por uma segunda que decorreu pela Ásia, Austrália e Nova Zelândia, entre 25 de janeiro e 6 de junho de 2012.

Durante a viagem, para além de desfrutarem dos prazeres e benefícios inerentes ao próprio ato, já por si bastante enriquecedor, estes jovens foram incumbidos de contactar com autoridades e organizações nos locais por onde passaram de forma a recolherem mais informações sobre as respetivas realidades ao nível político, administrativo, cultural, académico e desportivo.

Foram, também, programadas diversas paragens ao longo do percurso para, durante determinados períodos de tempo, realizarem trabalho voluntário de diversa índole, como no caso do Nepal, Índia, Timor ou Austrália.

A partilha das suas experiências ao longo da viagem, em tempo o mais real possível, foi outra das contrapartidas solicitadas pela Fundação e que pode ser consultada através do blogue criado para o efeito e das crónicas publicadas regularmente.

Reveja o Gap Year do Gonçalo e do Tiago em FLL Gap Year, um mundo a aprender… 


FLL Gap Year 2014/15

GAP YEAR FUNDAÇÃO LAPA DO LOBO

Considerandos e Regulamento

  1. Conceito

O “GAP YEAR” é um conceito relativamente recente no mundo académico, pretendendo-se configurar um “ano de intervalo” entre duas fases de um determinado percurso estudantil – por exemplo, entre o nível do ensino secundário e o nível do ensino universitário.

Antes de ingressar na universidade e concluída que esteja (com sucesso) a fase do secundário, o(a) estudante parte durante um ano à procura de novas experiências que lhe possam enriquecer o seu curriculum pessoal e social (com natural repercussão também no seu desenvolvimento intelectual).

Não há naturalmente qualquer modelo pré-determinado no que diz respeito ao conteúdo de um Gap Year, dependendo da vontade e dos propósitos de quem o pretende concretizar. Podem-se apontar diversos exemplos como sejam trabalhos de voluntariado nas áreas social, cultural, desportiva e ambiental, trabalhos remunerados de diversa índole, realização de percursos internacionais, recolha de informação ou de imagens, observação de experiências sociais ou de outra natureza, enfim, um sem número de hipóteses que são deixadas à capacidade imaginativa, interventiva ou criativa de cada um.

Pressupõe-se no entanto que um Gap Year seja sempre concretizado fora do ambiente normal ou do país em que o candidato vive, de forma a que a experiência seja tão abrangente e enriquecedora quanto possível.

Em caso algum um Gap Year deve ser encarado como uma jornada prolongada de turismo ou de mero lazer.

  1. O GAP YEAR e a Fundação Lapa do Lobo

A Fundação Lapa do Lobo financiou nos três últimos anos letivos a concretização de um Gap Year  a alguns jovens estudantes dos Agrupamentos de Escolas do Carregal do Sal e de Canas de Senhorim.

A sua experiência pode ser observada visitando os blogues respetivos:

 

www.fllgapyear.com / www.fllgapyearnasamericas.com / www.valoreseculturagap.com

www.caidosnooriente.wordpress.com /  www.levadosaoextremo.tk www.fllaprenderviajando.wordpress.com

  No ano letivo de 2014/2015 a Fundação Lapa do Lobo financiará apenas um projeto de GAP-YEAR a 2 jovens estudantes provenientes dos Agrupamentos de Escolas de Canas de Senhorim, Carregal do Sal e Nelas, nos termos que se seguem:

 

  1. Regulamento

1)    Os candidatos

Poder-se-ão candidatar ao GAP YEAR FUNDAÇÃO LAPA DO LOBO jovens provenientes dos Agrupamentos de Escolas de Canas de Senhorim, Carregal do Sal e Nelas, sendo certo que apenas será financiado um projeto entre todas as candidaturas.

 

2)    Nº de candidatos por cada projeto

Cada projeto de candidatura deverá integrar obrigatoriamente dois jovens, sejam ambos do sexo masculino, ambos do sexo feminino ou de  sexos diferentes.

 

3)    Condições sine qua non de elegibilidade dos candidatos

·         Serem maiores de 18 anos à data previsível de início do Gap Year

·         Terem obtido condições de acesso à Universidade no ano lectivo de 2014-2015

·         Apesar da sua maioridade, comprovarem um acordo familiar expressamente manifestado

·         Inexistência no seu passado estudantil de medidas disciplinares graves

 

4)    Condições preferenciais

·         Experiência associativa fora ou dentro dos círculos académicos

·         Forte motivação e auto-justificação

 

5)    Organização de candidaturas

Os jovens que se pretendam candidatar a um Gap Year deverão organizar um Processo de Candidatura, o qual deverá incluir um curriculum pessoal extra-escolar e onde manifestem de forma clara e concisa:

·         Objetivos pretendidos

·         Roteiros

·         Acordo de instituições ou associações que os possam acolher, se for esse o caso

·         Soluções de deslocação e alojamento

·         Custos estimados

·         Outras informações tidas por relevantes

 

6)    Contra-partidas exigidas pela Fundação Lapa do Lobo

·         Relato circunstanciado da experiência ao longo do decurso da mesma

·         Recolha e entrega de imagens fotográficas

·         Participação em “workshops” sobre o tema GAP YEAR eventualmente organizados pela Fundação Lapa do Lobo.

·         Divulgação do bom nome da Fundação Lapa do Lobo e da região onde a mesma se insere

·         Outras contra-partidas propostas pelos próprios candidatos

 

 7)    Financiamento

Para a concretização do GAP YEAR, a Fundação Lapa do Lobo propõe-se financiar integralmente:

·         Despesas iniciais necessárias (passaporte, vistos, vestuário adequado ao projeto e equipamentos de comunicação)

·         Seguros de viagem e despesas decorrentes de vacinações ou medicamentações recomendadas

·         Bilhetes de avião, de comboio ou de outros transportes, consoante a natureza do projeto apresentado.

·         Despesas com deslocação e estadia em hostels, pousadas de juventude ou estabelecimentos similares (sempre que existam) ou de outra natureza, se necessário

·         Despesas com alimentação

 

Naturalmente que os candidatos ou candidatas, na organização do seu Processo de Candidatura, deverão ter em conta algum bom senso e adotarem critérios de parcimónia no que diz respeito ao custo previsível do seu projeto. Em caso algum o valor total despendido pela Fundação Lapa do Lobo no projeto de GAP-YEAR 2014/2015 deverá ultrapassar o valor de € 6.500 por participante.

 

8)    Prazos de candidatura

Os Processos de Candidatura deverão ser remetidos em suporte digital à Fundação Lapa do Lobo, impreterivelmente, até ao dia 31 de Julho de 2014.

As candidaturas serão apreciadas pelo Conselho de Administração da  Fundação Lapa do Lobo, após auscultação da opinião dos Diretores dos Agrupamentos de Escolas envolvidos sob o perfil e capacidade dos candidatos ou candidatas.

 

 Após a análise das candidaturas, os autores dos Processos de Candidatura serão chamados para uma entrevista final.

O anúncio dos vencedores será formalmente comunicado entre os dias 15 e 20 de Setembro de 2014.

 

Para mais informações, contactar www.geral@fundacaolapadolobo.pt

Lamentavelmente a Fundação Lapa do Lobo não recebeu dos Agrupamentos de Nelas, Canas de Senhorim e Carregal do Sal, quaisquer candidatura para Gapyear no ano letivo de 2014/2015. Assim sendo, o programa de financiamento de Gapyear encontra-se suspenso para reapreciação dos seus termos.

 

Projetos FLL Gapyear 2013/2014

Foram recebidas 3 candidaturas ao Projeto FLL Gap Year para o Ano Letivo de 2013/2014, duas do Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim, uma do Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal. Analisadas as 3 candidaturas, as mesmas foram consideradas verdadeiramente interessantes e consequentemente aprovadas.
Assim, os 3 Projetos FLL Gap Year para o ano 2013/1014, da Fundação Lapa do Lobo, são:

“GAP YEAR LEVADO AO(S) EXTREMO(S)”  – Um Gap Year 100 preconceitos – Apresentado por André Alves, Tomás Ambrósio e João Ambrósio.
Este projeto Gap Year centra-se no Continente Africano, começando por Marrocos – Africa do Sul – Moçambique – Tanzânia – e Quénia.
Para acompanhar esta aventura podem seguir o blogue de viagens em:

http://www.levadosaoextremo.tk/

 

“Aprender Viajando” – Apresentado por Francisco Silva e Ricardo Cláudio, do Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal. Este Gap Year vai até Londres – Escócia – Irlanda – e por fim Moçambique.
nPara acompanhar esta aventura podem seguir o blogue de viagens em:

http://fllaprenderviajando.wordpress.com/

 

“Caídos no Oriente”  – Apresentado por André Antunes e Hugo Melo, do Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim.
Os países que vão visitar são: Índia, Camboja, Vietname, Laos e Tailândia.

Para acompanhar esta aventura podem seguir o blogue de viagens em:

http://fllcaidosnooriente.wordpress.com/

 

Aqui no site da Fundação ou  através do facebook, também  pode acompanhar o desenrolar dos 3 projetos.

Boa Sorte Companheiros, e Boas Aventuras!