NARRATIVAS DE LUZ E SOMBRA

Nos dias 19, 20, 21 e 22 de fevereiro, o Projeto Alcateia – Serviço Educativo da Fundação Lapa do Lobo (FLL) apresentou “Narrativas de Luz e Sombra”, uma visita-oficina de fotografia e escrita, orientada por Duarte Belo e Cristina Nogueira. Esta proposta, dirigida a seis turmas do 12º ano do Ensino Secundário, partiu da exposição “Lugares para Viagem”, de Duarte Belo, patente na Galeria da FLL. Concebida como uma possibilidade de percurso criativo, “Narrativas de Luz e Sombra” assumiu-se também como uma ação de sensibilização, valorização e promoção do património e da paisagem.
Uma igreja permanece ao centro, campos desaparecem, casas crescem para todos os lados, estradas interrompem vegetação, árvores esticam-se, telhados impõem manchas de cor, rochas e montanhas parecem imperturbáveis… Entre a terra, o céu e o granito, estas são imagens do filme “A Luz da Terra Antiga”, de Luís Oliveira Santos, baseado no livro “Portugal Luz e Sombra”, de Duarte Belo. Estas foram também as referências para esta oficina, que procurou o diálogo entre transformações e permanências na paisagem, desafiando o espírito de investigação dos mais jovens.
Cada participante foi desafiado a fazer o seu registo fotográfico pessoal, num formato de grande liberdade estética e criativa: a cruz da capela em contraluz, o trevo entre granitos, a bica de água a correr, a oliveira grande com a serra atrás, pequenas estatuetas de pedra, um telheiro, paredes de pedra e aço, plantas rasteiras de várias cores, a textura das árvores… E daqui surgiram breves narrativas, inspiradas por leituras visuais do nosso território: “Só podemos observar a Natureza através da luz”; “A efemeridade da Natureza e a longevidade das memórias”; “A oliveira transmite uma sensação de tranquilidade e pureza”; “É preciso ter coragem para sairmos da nossa própria sombra”; “O aço e a pedra, a sombra e a luz, construções humanas”…
Imagens e textos-legenda passaram, depois, a integrar “Lugares para Viagem”, uma exposição aberta e dinâmica, que, até ao dia 7 de abril, acolhe os mais diversos contributos por parte da comunidade, entre os concelhos de Carregal do Sal e de Nelas.
Os objetivos educativos desta proposta foram: sensibilizar o público jovem para a importância da memória e da identidade de um povo e de um território; promover a valorização da paisagem e da arquitetura da região; proporcionar o contacto com a linguagem visual como recurso de expressão, comunicação e investigação; e estimular o espírito de curiosidade e de criatividade.
Nos dias 26, 27, 28 e 29 de março, um novo desafio será lançado a crianças e jovens, entre os 6 e os 15 anos, com a oficina de férias “Caçadores de Paisagens”, outro percurso criativo integrado nesta exposição documental “Lugares para Viagem”.
Esta reflexão partilhada sobre o espaço, muito próxima daquele que é o nosso quotidiano, mostra-nos que, nas palavras de Duarte Belo, “o aumento da qualidade do espaço em que vivemos tem uma consequência muito direta no aumento da nossa qualidade de vida”.