Pensar Alto – 8.ª Edição

Pensar Alto – 2018
Jovens mostraram as muitas faces do “nada”

A 8.ª edição do projeto Pensar Alto teve lugar dia 9 de junho na Fundação Lapa do Lobo, subordinada, este ano, ao tema «O que interessa verdadeiramente aos jovens? Ou de como os jovens não se interessam por nada.»
Pensar Alto é um projeto de promoção da oralidade junto de jovens do ensino secundário, desenvolvido pelo Clube de Oralidade, do Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal, orientado pela professora Carla Marques, que visa a promoção do pensamento crítico associado à discussão de temas polémicos ou problemáticos, com o objetivo de levar os participantes a apresentar em público um texto de opinião de defesa de uma posição relacionada com um tema proposto.
Trabalhando, mais uma vez, uma ideia provocadora que condensa um possível olhar da sociedade sobre a juventude, os participantes foram convidados a refletir sobre o tema, a desmontá-lo e a contrariar perspetivas estereotipadas que muitas vezes recaem sobre o que eles são, sobre a forma como se comportam e sobre as suas escolhas. Neste âmbito, os jovens Francisca Correia, João Pereira, Joana Almendra, Mafalda Cunha, Luciana Pessoa, Ana Albuquerque, Francisca Santos, Emanuel Marques, Carolina Costa, Laura Barroso e Maria Mendes, apresentaram, ao longo da noite, comunicações que abordaram variadíssimos aspetos do «nada», desde a discussão do conceito (por oposição a tudo), passando pelas incertezas que o futuro oferece aos jovens, que correm o perigo de se transformar em jovens nada, refletindo também sobre a importância de aprender a não fazer nada (com divulgação inclusive dos princípios do Clube do Nadismo), não esquecendo a importância do sono ou os perigos físicos e psicológicos da ociosidade, denunciando a escravização a que a sociedade submete as pessoas e as consequências de se ser viciado no trabalho e refletindo sobre a anulação de personalidades que se processa não raro em sociedade.
Foi uma noite muito rica em ideias, diferentes e estimulantes, que convidaram o público à reflexão, mostrando que, afinal, os nossos jovens se interessam por muitos assuntos e que se querem assumir como uma geração diferentes das anteriores.

Texto: Professora Carla Marques