LAPA DO LOBO: ALDEIA CULTURAL UMA ALDEIA INTEIRA PARA CADA UM

E foi, durante três dias, uma aldeia inteira, que cada um conseguiu visitar, ver, tocar, cheirar, sentir, mexer… Três dias que marcaram o 1º Encontro Artístico Lapa do Lobo: Aldeia Cultural, numa coorganização da Fundação Lapa do Lobo (FLL) e Contracanto Associação Cultural, com o apoio da Câmara Municipal de Nelas, da Junta de Freguesia da Lapa do Lobo e da ADCL – Associação desportiva e Cultural Lapense.

Entre 6ª feira, dia 20 e domingo, dia 22, houve atividades para todos os gostos, idades, feitios e habilidades, em diferentes lugares da aldeia, desde FLL, Contracanto, Jardim Fundação Lapa do Lobo, Jardim de Infância da Lapa do Lobo ou ADCL. Mas também, e principalmente, na rua, nos terreiros e até em algumas casas dos próprios habitantes da Lapa, que ofereceram as suas lojas, portas, portadas, janelas e pátios para a realização de muitos dos eventos. De referir também a Restauração, com o Restaurante, os Petiscos e os Refrescos da Aldeia, montados propositadamente para estes três dias de Encontros Artísticos.

Ao longo do fim-de-semana foi possível visitar 5 exposições em permanência: Aldeia, composta por objetos disponibilizados pelos próprios habitantes da Lapa do Lobo; A História que os Adereços Contam, na Contracanto; O Mundo Encantado dos Livros Pop Up, na FLL; Surreal Festivo, uma exposição de aguarelas de Luís Branquinho e a Toalha Poética, uma toalha de linho bordada há cerca de 5 anos pelo Ponto sem Nó – Clube Lapense de Bordados e Artesanato. Também foi possível apreciar várias instalações artísticas espalhadas pela Lapa do Lobo, que apelavam à memória, ao pensamento crítico e à reflexão individual.

Uma menção à Animação de Rua, da qual destacamos o Fotógrafo à La Minute, a Bicicleta da Serigrafia com o AtelierSer, o Teatro Habitus ou os Breves Lamirés: momentos musicais, que surpreendiam ao virar da esquina, com uma espontaneidade e qualidade singulares.

A somar a todos estes eventos, não podemos esquecer um dos pratos fortes da Aldeia Cultural: As 17 Oficinas, sobre os mais variados temas – que abraçaram a música, a dança, o teatro, o vinho, os bordados, a tecelagem, os bilros, a cianotipia ou a arte do Pop Up – que envolveram quase 100 artistas e formadores e cerca de 300 participantes. Também houve Teatro: com o “Flautista de Hamelin”, pelo NACO’S de gente; Cinema: com “O Povo que Conta”, um documentário sobre a Lapa do Lobo realizado por Tiago Pereira; Conversas sobre Natureza e sobre a Cultura; Roteiros Culturais; Passeios de Pasteleiras; Caminhadas e muita Música: Canto Coral, com a presença dos Canto e Encanto e dos CANTAT; concerto acústico com Fábio Abreu; Dj Live set com os DJ’s Crok e Jorge Fernandes; Jazz e Poesia: um espetáculo magnífico com o quarteto Manuel Lourenço, acompanhado por Cláudia Franco (na voz) e Nicolau Santos na declamação.

A encerrar o 1º Encontro Artístico Lapa do Lobo: Aldeia Cultural o artista que apadrinhou esta primeira edição: António Zambujo, num concerto intimista no Pátio da FLL.

Após estes três dias de encontros artísticos, o balanço é bastante positivo. A premissa era envolver os habitantes e convidar visitantes à aldeia e isso foi conseguido, graças ao esforço e dedicação da organização e das entidades que apoiaram a iniciativa.

Não esquecendo, também, todos os envolvidos, que, por amizade e relação de parceria às entidades já referidas, nomeadamente com a Fundação Lapa do Lobo, graciosamente ofereceram o seu contributo artístico, enriquecendo o programa. Uma palavra ainda, por outro lado, para todos os artistas que se envolveram pela primeira vez, que foram tão acarinhados pelo público como se fizessem já parte da aldeia.

As iniciativas, no geral, foram bem aceites pelos públicos às quais eram dedicadas e o número de pessoas que participou superou as expectativas. As pessoas que passearam pela Lapa do Lobo, entre visitantes e habitantes, encheram as ruas de alegria e entusiasmo. Foram centenas de pessoas envolvidas na produção deste evento e foram milhares de visitantes a usufruir das mesmas. A aldeia da Lapa do Lobo merecia esta intensidade de eventos, de encontros e desencontros, condensando em três dias o que se vai fazendo ao longo do ano. Parabéns à Lapa do Lobo, aos habitantes e visitantes, que se envolveram e aceitaram o desafio de a partir de hoje, apesar de já o serem antes, protagonistas de uma singularidade tal, que faz da Lapa do Lobo a Aldeia Cultural.